culturadança

Casanova em Lisboa

com a Orquestra Metropolitana de Lisboa

  • Casanova em Lisboa
  • Encenação Carla Bolito
  • A partir de Cartas de Casanova Lisboa 1757, de António Mega Ferreira
  • Com a Orquestra Metropolitana de Lisboa
  • CCB . 17 a 19 março . Pequeno Auditório
  • sexta: 21h00 . sábado: 19h00 . domingo: 16h00

 

  • A partir de textos de Cartas de Casanova Lisboa 1757, de António Mega Ferreira
  • Orquestra Metropolitana de Lisboa
  • Direção musical e cravo Marcos Magalhães
  • Com Ana Quintans, André Gomes e Marcello Urgeghe
  • Ângelo Castro, Íris Canamero, Matilde Santos, Vanessa Varela, Vasco Paixão e Vasco Ramos
  • Desenho de luz Manuel Abrantes
  • Sonoplastia do gran finalle Rui Dâmaso
  • Coreografias Kimberley Ribeiro
  • Figurinos Ricardo Preto
  • Cabelos Ulisses Peguinho
  • Fotografia Alípio Padilha
  • Produtor executivo Bernardo Vilhena – Estado Zero
  • Coprodução Centro Cultural de Belém, Metropolitana

Meter o Rossio na Betesga e Lisboa no CCB

Quando li o romance epistolar Cartas de Casanova Lisboa 1757, de António Mega Ferreira, imaginei logo a sua adaptação para o palco. O retrato de uma Lisboa destruída cujas obras de reconstrução se encontram paradas sem um princípio, ou fim, à vista, é um cenário bastante recorrente nesta cidade.

O aumento em grande escala do turismo, a gentrificação e a especulação imobiliária, são fenómenos que também passaram a fazer parte do cenário desta cidade que já não tem casas, novas ou velhas, para os seus residentes. A associação do nome próprio da personagem principal do romance de Mega Ferreira ao problema da habitação em Lisboa, tornou-se inevitável. Além disso, sou uma fervorosa praticante do humor literal e das missões teatrais impossíveis.

Como adaptar a escrita caleidoscópica de Mega Ferreira para o palco?

Comecei por pensar na música.

O dispositivo do romance assenta em seis cartas que Casanova escreve à família, amigos e amantes. Cada uma das cartas seria associada a uma música, a um compositor ou compositora.

Dediquei-me então a ouvir música do século XVIII do período do barroco tardio, de acordo com a época retratada no romance. A música tem um poder impressionante de me pôr no encalço de uma sensação parecida com a caça, não a de animais, mas de algo parecido com a luz que faz tremer uma folha da paisagem e que nesse momento me indica que o caminho é por ali. Ao decidir quais as músicas que iam habitar nesta «Casa Nova», a tarefa árdua da condensação do texto tornou-se mais fluída. A pouco e pouco, começou a construção de Casanova em Lisboa.

Nada disto teria acontecido sem o apoio e o entusiasmo que Mega Ferreira me transmitiu desde que lhe apresentei esta ideia. Tal como aconteceu em 2008, na altura presidente e programador do CCB e que me deu todo o seu apoio noutra missão impossível, a estreia de Sentido Portátil, uma adaptação para teatro de História abreviada da literatura portátil de Enrique Vila Matas.

«Rien ne pourra faire que je me sois amusé» é o lema de Casanova e também o de Mega Ferreira que se dedicava de corpo e alma, e sempre com grande prazer e entusiasmo, a todos os projectos em que se envolvia, fosse escrever um livro, fosse receber os amigos. Esse espírito de entusiasmo continua vivo e contagiante.

Este espectáculo-concerto é dedicado ao Mega.

Carla Bolito, 26 de Fevereiro de 2023

Confirme sempre junto da sala de espetáculos ou promotor as condições de acesso, confirmação da data ou horário, local de venda dos bilhetes, preço e disponibilidade.

Siga-nos nas redes sociais como o Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e TikTok e veja os nossos conteúdos exclusivos.

Please follow and like us:
Pin Share
Mostrar Mais

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
error: Content is protected !!