cinemacultura

Edição de verão do festival de Berlim deverá ser apenas ao ar livre

Este ano, a 71.ª edição do festival foi planeada para acontecer em dois tempos: Em fevereiro aconteceu o mercado do filme e apresentação dos filmes online e para profissionais, e em junho estava prevista a exibição da programação para público, em sala.

A decisão final sobre o que acontecerá em junho foi remetida para maio, estando a ser equacionada a realização de um evento cultural piloto com a inclusão de testes à covid-19.

Da programação prevista, fica adiada para 2022 a retrospetiva dedicada aos clássicos do cinema e a exposição do programa Fórum Expandido, que deveria inaugurar a 18 de maio.

Para junho, além da exibição dos filmes da programação, estava prevista a entrega dos prémios, anunciados em fevereiro. Da programação, mostrada em fevereiro aos profissionais, fizeram parte os filmes “Luz de Presença”, de Diogo Costa Amarante, e “Nanu Tudor”, da realizadora moldava Olga Lucovnicova com coprodução entre Portugal, Bélgica e Hungria, e que venceu o Urso de Berlim de melhor curta-metragem.

Na secção Fórum foi incluída a longa-metragem “No táxi do Jack”, de Susana Nobre.

No programa Fórum Expandido, no qual o cinema se estende para outras expressões artísticas, estavam “Mudança”, do realizado luso-guineense Welket Bungué, “Night for day”, da artista visual britânica Emily Wardill, com coprodução luso-austríaca, e a produção portuguesa “13 ways of looking at a blackbird”, da realizadora brasileira Ana Vaz.

Já o filme “Rock Bottom Riser”, do realizador luso-americano Fern Silva, esteve na secção Encontros.

Follow us on social media: Instagram; Facebook; Twitter; Youtube.

Please follow and like us:
Pin Share
Mostrar Mais

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
error: Content is protected !!