cinemaconcertos/músicacultura

Mimo Festival está de volta e chega ao Porto

Edição especial de arranque acontece a 23, 24 e 25 de setembro

Arte, performance e tecnologia unem-se aos workshops, filmes, palestras e concertos inéditos em Portugal, a que se somam estreias mundiais.

A zona mais antiga da cidade vai estar em destaque com mais de 50 atividades realizadas no Centro Histórico, classificado como Património Mundial pela UNESCO

Recital inédito de celebração do bicentenário da independência do Brasil

Depois de uma pausa forçada pela pandemia, o MIMO FESTIVAL está de volta, com mais vigor do que nunca, numa espetacular edição de estreia na cidade do Porto.

Nos três dias de festival – totalmente gratuito – , de 23 a 25 de setembro, o MIMO encerra o verão na Invicta com mais de 20 concertos, 11 DJ Sets, 8 workshops, oficinas e residências no Programa Educativo, além de diversas atividades de arte, performance e tecnologia dedicadas à Amazónia; sem dispensar a mítica Chuva de Poesia, que este ano acontece na emblemática Livraria Lello.

Sítios do Centro Histórico do Porto, classificado como Património Mundial pela UNESCO, como o Largo Amor de Perdição, Jardim da Cordoaria, Reitoria da Universidade do Porto, Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto, Jardim das Virtudes, Palácio de Cristal e as Igrejas do Carmo, dos Carmelitas Descalços, de São José das Taipas, de Nossa Senhora da Vitória e de São Bento da Vitória, fazem parte da sonosfera multi geográfica que o MIMO promoverá.

De acesso gratuito, o MIMO é um festival inclusivo que privilegia a facilidade de acesso e a diversidade. Tendo como premissa dar a conhecer o que de melhor se faz na música na atualidade, em Portugal e no mundo, entre nomes consagrados e novos talentos, o MIMO proporciona uma experiência única e o contacto com representantes de diferentes géneros musicais e culturas.

O MIMO Porto conta com o apoio da Câmara Municipal do Porto. A Fundação Millennium bcp é mecenas exclusiva do Programa Educativo e dos concertos das Igrejas. O festival conta também com a parceria da Universidade do Porto e do Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto.

Para Rui Moreira, presidente da Câmara Municipal do Porto, “trata-se de um acontecimento marcante na vida cultural da cidade. A programação do MIMO, a que a sua programadora e a sua equipa nos habituaram, enche-nos de entusiasmo, porque sabemos que quem vive no Porto e quem nos visita vai ter um leque de escolhas único e um conjunto de propostas artísticas e culturais daqueles que raramente encontramos com estes níveis de elevadíssima qualidade e, ainda por cima, totalmente acessível a todos, uma vez que todos os espetáculos e todas as iniciativas pedagógicas são de acesso livre.

DESTAQUES MIMO PORTO

E são muitas as novidades que se vêm juntar nesta estreia no Porto. Entre os artistas que aquecerão as ruas portuenses estão os brasileiros Emicida – vencedor do Grammy Latino como “Melhor Álbum de Rock ou Música Alternativa em Língua Portuguesa” -, o nome mais importante do hip hop brasileiro da atualidade. O artista fará a primeira apresentação do premiado álbum “AmarElo” em Portugal, no MIMO Porto. Já o jornalista, poeta, compositor e intérprete Chico César, mostrará porque está, há 31 anos, a consolidar uma das mais profundas e sólidas carreiras na Música Popular Brasileira. Lança no MIMO Porto o seu 10º álbum de sua carreira: “Vestido de amor”.

A superstar cantora e compositora franco-nigeriana Asa (Asha), que cultivou as suas raízes musicais nos sucessos da Motown e no Afrobeat de Fela Kuti, vem ao MIMO Porto exclusivamente para apresentar o álbum “V” – dedicado ao afrobeat nigeriano – que contou com as participações do rapper Wizkid, da dupla The Cavemen e do ganense Amaarae.

Já o multi-instrumentista congolês Ray Lema, reconhecido como um dos artistas mais inovadores e criativos da cena musical africana e mundial, vem apresentar a sua costura etérea de música clássica, jazz e ritmos tradicionais subsaarianos, numa homenagem a Franco Luambo – o pai da rumba congolesa, declarada Património Imaterial da Humanidade pela Unesco, em 2021.

O lendário realizador e DJ inglês, Don Letts, mostra no palco principal do MIMO Porto, um set dedicado à sua explosiva combinação musical, além de exibir alguns dos seus filmes e de fazer uma palestra sobre a sua obra. Letts ganhou notoriedade no final dos anos 70, quando enquanto DJ na noite londrina, transformou toda uma geração e reuniu o punk ao reggae.

Da Argélia e Tunísia, o DuOuD, que, como o nome sugere, é uma dupla de oud, o alaúde árabe, formada por dois dos seus músicos mais inovadores. É composto pelo tunisiano Jean-Pierre Smadja, também conhecido como Smadj, e pelo argelino Medhi Haddab, distinto líder da Speed Caravan.

Mário Lúcio – com Mário Lúcio & Os Kriols – é o nome maior da música e das artes de Cabo Verde, aqui acompanhado pelos Kriols, o seu grupo formado por cinco músicos portugueses que exploram a sonoridade crioula, a mistura, a síntese. Mário Lúcio é o compositor mais gravado da história do seu país e é também um premiado romancista, poeta, dramaturgo e filósofo. Foi Ministro da Cultura durante cinco anos. No MIMO Porto ele fará o pré-lançamento europeu do seu mais recente disco, “Migrants”.

Da Ucrânia vem a pianista clássica Valentina Lisitsa, que se auto intitula “a rainha do Rachmaninoff”. Com mais de meio milhão de seguidores no seu canal e 200 milhões de visualizações no YouTube, ela é uma das intérpretes clássicas mais populares na Internet.

Da Índia chega ao Porto Nishat Khan, virtuoso tocador de cítara e um dos destacados nomes do instrumento na atualidade. Originário de uma ilustre família de sete gerações de músicos profissionais da cítara clássica, já colaborou com John McLaughlin, Philip Glass, Eric Clapton, Carlos Santana e Jeff Beck, e com o artista-escultor Anish Kapoor. No MIMO Porto, Nishat fará um concerto de música clássica indiana, mais conhecida como Raga.

De Portugal, reforçam o cartaz o produtor e DJ Branko, nome de destaque ímpar na ativação digital durante toda a pandemia, que tem vindo novamente a movimentar a cena nas apresentações ao vivo. Já Pedro Burmester & Quarteto de Cordas de Matosinhos apresenta um programa dedicado a Robert Schumann e Antonín Dvořák. O guitarrista vimaranense Manuel de Oliveira traz a sua música de alma ibérica e Maria João & Mario Laginha, dividem com o público, para lá do jazz, uma cumplicidade que não se explica.

Mas o MIMO PORTO tem mais para oferecer. Encerrando a exposição “Mulheres que fazem barulho – Cenas do Rock Português I”, promovida pela Casa Comum, da Reitoria da Universidade do Porto, um concerto que promete reviver os capítulos dourados da história do rock português escritos no género feminino. Em palco Ana Deus, Lena D’água, Anabela Duarte, Sandra Baptista, Mitó Mendes, Carolina Brandão e Marta Abreu.

Ainda do Brasil, chega a Orquestra Voadora, que é sinónimo de alegria e festa. Quem não conhece o Carnaval carioca pode espantar-se, mas o facto é que a Voadora chega a reunir mais de 100.000 foliões que a seguem por uma das principais avenidas da cidade durante o Carnaval. A sua música é pautada por uma mistura bombástica de ritmos como rock, funk, pop, jazz com os tradicionais frevo, samba e maracatu. No MIMO Porto o coletivo faz um concerto/cortejo e um baile de Carnaval, onde o público poderá provar, afinal, a fusão de samba, frevo, maracatu, afrobeat, bandas sonoras de filmes do Tarantino e perceber o que é que a Orquestra tem.

Para os amantes do jazz, imagine fechar os olhos e ouvir as notas elegantes e precisas da música de Miles Davis a ecoar pelo Porto. É o que promete Gileno Santana, trompetista, arranjador, docente e compositor luso-brasileiro ao executar a obra-prima de Miles, “Kind of Blue” ao vivo e na íntegra, com uma super banda de músicos residentes no Porto, que reproduz os acompanhamentos de Bill Evans, Wynton Kelly, John Coltrane, Paul Chambers e Jimmy Cobb.

Da música clássica brasileira, vem a soprano Chiara Santoro, que acompanhou Ennio Morricone e Andrea Bocelli em digressões internacionais e venceu diversos concursos europeus. Será acompanhada do pianista italiano Fabio Centanni, formado na prestigiada Accademia di Santa Cecilia em Roma e nome requisitado no circuito lírico internacional. Juntos apresentam um recital que celebrará o Bicentenário da Independência do Brasil.

Também pela primeira vez em Portugal, uma promessa da música clássica internacional, o brasileiro Plínio Fernandes. Ele tem sido apontado como uma das maiores revelações do violão clássico contemporâneo. Aos 16 anos, foi aceite pela Royal Academy of Music, em Londres e hoje, aos 28, lança o seu primeiro álbum pela editora Decca Records (EUA), “Saudade”, no qual discorre pelos seus amores musicais e mostra duetos com a cantora brasileira Maria Rita e os irmãos Braimah e Sheku Kanneh-Mason.

Outra novidade que o MIMO PORTO também traz em exclusivo a Portugal, é a rapper e atriz KT Gorique. Nascida na Costa do Marfim, aos 21 anos, foi “Campeã do Mundo” na batalha “End of the Weak”, em Nova York e também a primeira e mais jovem mulher a obter este título na história da EOW. Por causa da sua ampla gama de talentos, KT Gorique recebeu o apelido de “Couteau-Suisse” (canivete suíço) e promete elevar a temperatura do público portuense com a sua música que passeia do hip hop ao dancehall e ao reggae.

O PODER DO SOUND SYSTEM NAS RUAS DO PORTO

As novidades continuam na edição de 2022. Uma delas é a implementação na programação de um espaço dedicado à cultura Sound System. Montado no Jardim das Virtudes, o espaço recebe grandes nomes ligados à cena sound system, com destaque para Channel One, um dos reggae sound systems mais conhecidos e amados do Reino Unido. Mikey Dread – Channel One – e seu irmão Jah T., começaram a tocar no Carnaval de Notting Hill, em 1983, e nunca mais pararam.

Outro representante de peso, o Brother Culture Sound System, está presente há 30 anos na cena dub roots britânica. Após a conquista do Reino Unido, a partir do Dub Club de Londres, Brother Culture conquistou a Europa e estará presente no MIMO Festival a tocar emoldurado pela vista panorâmica das Virtudes.

Provando que esta cultura se espalhou pelo mundo, do Brasil virá o Ministereo Público Sound System, criado em Salvador, em 2005. O coletivo já dividiu palco com artistas como Manu Chao, Martin Campbell, Natiruts e The Congos, Max Romeo e Alpha Blondy.

CASA COMUM AMAZÓNIA

Em parceria com a Universidade do Porto e o Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto, o festival apresenta uma série de atividades dedicadas à Amazónia brasileira, através do olhar de artistas multidisciplinares nascidos na região, de diferentes etnias, tendo como pano de fundo a maior floresta tropical do mundo.

Casa Comum Amazónia reúne palestras, exibições de artes visuais e performances de artistas como Uýra Sodoma, Bqueer, que traduzem, a partir das suas linguagens artísticas e das suas mundivisões, a ideia do Planeta Terra como casa comum de todos os seres vivos, utilizando arte e tecnologia como meios, desconstruindo narrativas ocidentais hegemónicas.

Inspirado nas palavras do líder indígena Ailton Krenak, Casa Comum é um projeto de pesquisa artística que nos fala a partir da cosmovisão dos povos indígenas, apelando a que toda a Humanidade trate o globo terrestre como a casa comum de todos os seres vivos. Foi criado para o ambiente digital, tem como diretor artístico o brasileiro Renato Rocha e desenvolveu-se a partir de uma estreita colaboração entre artistas digitais do Brasil e do Reino Unido – como o estúdio criativo londrino SDNA – e 10 artistas multidisciplinares da Amazónia. Cada um trouxe propostas relacionadas com a ideia, e a Floresta Amazónica serviu como base para todos se reunirem em residência imersiva e conhecerem-se pessoalmente.

Entre a Comunidade Indígena Sateré Mawé e a Vila Waikiru, nas margens do Rio Negro, e depois isolados na floresta na vila Tupana Mehua, os artistas Alcimar Vieira Reis, André Sateré Mawé, Elizete Tikuna, Emerson Uýra, Jaqueline Santos, Jayne Kira, Rafa Militão, Rafael Bqueer, Roberta Carvalho, Wellington Dias, inspirados pelo que os cercava, realizaram uma performance dentro do ambiente da maior floresta tropical do mundo. Os filmes e gravações das performances dos artistas foram editados pela SDNA, no Reino Unido.

O desdobramento deste projeto multicultural e multimédia, inédito em Portugal, é o que será apresentado dentro da programação do MIMO Festival, em diversos espaços da Universidade do Porto, como a Galeria da Biodiversidade, o Museu de História Natural e da Ciência e a Reitoria.

 PORTO & MIMO

Segundo maior centro urbano do país, o Porto é uma cidade cosmopolita, hospitaleira e viva, e uma passagem obrigatória para quem procura diversidade cultural, riqueza arquitetónica, paisagística e boa gastronomia e vinhos.

Ao longo de três dias, a cidade do Porto transforma-se para receber pelo primeiro ano este festival que, com a sua extensa e diversa programação, reúne todos os ingredientes para ser uma edição memorável.

É, então, o local perfeito para acolher a edição deste ano do MIMO Festival. “Os lugares de memória são pontos de diálogo e de harmonia, onde promovemos reencontros de reconciliação e de tolerância” – define Lu Araújo, fundadora e diretora do MIMO, que, desde a primeira edição, concebeu um festival gratuito, democrático, diverso, multigénero, igualitário e multiterritorial. Lu Araújo, além de responsável pela curadoria e direção artística do MIMO Porto, garante a produção através da empresa Memories and Heritage Artes, contando com o apoio da Câmara Municipal do Porto.

Reforçando a sua matriz original, o MIMO Porto dedica especial atenção à acessibilidade e eliminação de barreiras (para que tod@s possam aceder de forma fácil e livre às diferentes propostas artísticas e culturais), ao ambiente e sustentabilidade.

O MIMO PORTO conta também com uma zona de alimentação especial, desenhada e construída a pensar na cidade, nos seus moradores e em quem a visita, que oferecerá opções saudáveis, para servir os diferentes tipos de dietas alimentares. Será instalada na Alameda dos Plátanos, no Jardim da Cordoaria.

Confirme sempre junto da sala de espetáculos ou promotor as condições de acesso, confirmação da data ou horário, local de venda dos bilhetes, preço e disponibilidade.

Siga-nos nas redes sociais como o Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e TikTok e veja os nossos conteúdos exclusivos.

Mostrar Mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Botão Voltar ao Topo
error: Content is protected !!